COMO ESCREVER HISTÓRIAS EM QUADRINHOS

By...

Esse material é recomendado tanto para quem trabalha escrevendo como para aqueles que desenham as suas próprias histórias em quadrinhos. Apesar da aparência espalhafatosa Alan Moore é muito competente, coerente e objetivo naquilo que produz e escreve. Esse material é um exemplo disso, uma vez que o primeiro parágrafo for lido o incauto leitor estará preso ao texto, é impossível deixá-lo. Como uma irresistível atração seguimos até a última página, mas pior que isso é o desejo de querer continuar lendo mais após o final. Veja alguns excertos:
A maior dificuldade de escrever sobre qualquer atividade criativa, seja escrever sobre ela mesma até escrever sobre como consertar automóveis é que, na maioria das vezes, os artigos ou entrevistas que surgem parecem ser incapazes de se estenderem além de informações técnicas óbvias e listas de instrumentos recomendados. Não quero recair nessa mesma rotina, dizendo qual máquina de escrever eu uso, ou qual tipo de papel carbono acho ser o melhor, já que esta informação não fará a menor diferença na qualidade do que você escreve. Da mesma maneira, não acho que uma análise precisa do meu processo de trabalho seja muito útil, já que imagino que ele varia drasticamente de história para história, e que todo escritor tende a desenvolver sua própria abordagem em resposta as suas próprias circunstâncias.

Além disso, não quero produzir nada que lembre, nem remotamente, algo como “O Método Alan Moore de Escrever HQ’s”. Ensinar gerações de novos artistas e escritores a copiar a geração que os precedeu foi uma idéia estúpida de uma época onde a Marvel lançou seu livro O Método Marvel de Desenhar HQ’s e seria igualmente irresponsável da minha parte instruir escritores novos ou experientes sobre como escrever títulos idiotas e extravagantes do tipo "O Alvorecer Transformou O Céu num Matadouro" ou algo assim. John Buscema foi um grande artista, mas a indústria não precisa de cinqüenta pessoas desenhando como ele, e menos ainda de outros cinqüenta escrevendo como eu.

Com tudo isso em mente, gostaria de tentar expor algo que acrescente a este extenso capítulo sobre como podemos realmente pensar sobre a arte de escrever quadrinhos, que é melhor do que uma lista de detalhes específicos. Gostaria de falar sobre abordagens e processos mentais que dão suporte a escrita como um todo, ao invés de falar sobre o modo como esses processos são finalmente colocados no papel. Da forma que vejo a situação, o modo como pensamos ser o ato de escrever inevitavelmente moldará os trabalhos que produzimos. Analisando a maior parte da produção corrente das principais companhias de quadrinhos, me parece que um fator que contribui enormemente ao desânimo geral sejam os estagnados processos de pensamento promovidos por elas. Seguramente, em termos das convenções gerais de escrever quadrinhos atualmente, minha tendência é ver as mesmas como mecânicas estruturas de enredo e a mesma abordagem funcional de caracterização sendo usada várias e várias vezes, até o ponto em que as pessoas encontram uma grande dificuldade em imaginar onde poderiam estar maneiras diferentes de fazer as coisas.

O motivo pelo qual escrever para os quadrinhos seja talvez até mesmo mais interessante que desenhá-los é que escrever acaba sendo o estopim de todo o processo. Se o que for pensado antes de escrever for inadequado, o enredo é inadequado. Desse modo, até mesmo sob as mãos dos melhores artistas do mundo, a história finalizada vai lamentar a falta daquilo que nenhuma soma de imagens coloridas e impressão poderia substituir ou compensar.
O material completo tem 35 páginas. Se você tá pensando em "amadurecer" um pouco mais o seu trabalho então baixe o arquivo agora mesmo (Clique aqui pra fazer o download).
Se ao final você quiser mais, se acalme, ainda tem um pessoal muito bom que pode te dar um suporte:
Will Eisner:
-Quadrinhos e Arte Sequencial
-Narrativas Gráficas
Scott McCloud
-Desvendando os Quadrinhos
-Reinventando os Quadrinhos e
-Desenhando Quadrinhos 

Acredito conscienciosamente que se você estudar esses materiais, você deixará de ser 'apenas mais um' e seus trabalhos darão um salto de qualidade extraorinário.
Agora se o seu problema é desenvolver a arte e o desenho, então clique aqui e saiba como solucionar esse problema sem trauma!
Gostou?
- Então deixa um comentário!
- E também indique esse blog para os seus amigos, acredito que poderá ajudá-los tanto quanto tem te ajudado.